quarta-feira, 14 de junho de 2017

Curiosidade: Matriosca= Boneca Russa



Matryoshka, também conhecida como boneca russa, é um brinquedo tradicional da Rússia. Constitui-se de uma série de bonecas, feitas geralmente de madeira, colocadas umas dentro das outras, da maior (exterior) até a menor (a única que não é oca). A palavra provém do diminutivo do nome próprio Matriona.

Curiosidade:  "O número de figuras que se conseguem encaixar é, geralmente, de 6 ou 7, ainda que existam algumas com um número impressionante de peças. A sua forma é simples, mais ou menos cilíndrica e arredondada e mais estreita na parte superior, onde se situa a cabeça das bonecas. Não têm mãos (a não ser as que são pintadas na(s) sua(s) superfície(s)). A sofisticação das matrioscas reside, de fato, na complexidade dos motivos pintados. Outra característica que diferencia as diversas peças são as figuras que encarnam: desde figuras femininas vestidas com trajes tradicionais campesinos, a personagens de contos de fadas e até mesmo a antigos líderes da União Soviética." 


sábado, 3 de junho de 2017

Dica culinária: Lasanha de Miojo


A Lasanha de Macarrão Instantâneo é uma opção prática, econômica e deliciosa para a refeição da sua família. Experimente! 

INGREDIENTES

1 sachê de molho de tomate
200ml de água
3 pacotes de macarrão instantâneo
1 cebola pequena picadinha
2 dentes de alho amassados
óleo a gosto
150g de mussarela ralada
150g de presunto presunto fatiado
200ml de leite
1 colher de sopa bem cheia de requeijão cremoso
sal e outras ervas a gosto (manjericão, orégano, entre outros)
queijo parmesão ralado a gosto


   
COMO FAZER LASANHA DE MACARRÃO INSTÂNTANEO
MODO DE PREPARO

Em uma panela, doure a cebola e o alho no óleo.
Acrescente o molho de tomate e 200 ml de água e misture. Não precisa ferver, só aquecer.
Coloque metade do molho em um refratário que possa ir ao forno e coloque o macarrão instantâneo.
Despeje o restante do molho e cubra com uma camada de presunto e uma camada de mussarela.
Em uma panela, aqueça o leite e o requeijão e misture bem.
Acrescente o sal e as ervas na mistura e jogue sobre a lasanha, cuidando para que ela alcance todas as partes da lasanha.
Por último, salpique o queijo parmesão ralado e cubra o refratário com papel alumínio.
Leve ao forno preaquecido a 200ºC por 25 minutos.
Depois desse tempo, retire o papel alumínio e deixe mais um pouquinho até a lasanha gratinar.

Fonte: Ela só quer viajar
Caroline Donatelli

quarta-feira, 31 de maio de 2017

REFLEXÃO: Dar o exemplo é a melhor maneira de educar


Não podemos esquecer que nossos filhos são como esponjas que repetem tudo o que vêem. Por isso, para educá-los da melhor maneira, devemos dar exemplo com nossos atos.Dar o exemplo é a melhor maneira de educar

Quantas vezes desejamos que nossos filhos façam as coisas de uma determinada maneira, mas nós mesmos não praticamos essa coisa como exemplo?

Se não fizermos aquilo que pedimos ou exigimos, é muito provável que os ensinamentos não tenham uma boa consequência.

Tudo isso é fruto de algo que acontece sempre em todas as famílias. As crianças prestam atenção e se fixam em tudo o que seus pais fazem.


Dar o exemplo é muito importante para evitar enfrentamentos, discussões e uma série de problemas que se manifestam fruto dessa incoerência paterna.

As palavras que o vento leva
Um exemplo de mulher
Dizer “não coloque os pés em cima da mesa” ou “jogue os papéis no lixo, não no chão”, é fácil; porém, o difícil é dar o exemplo.

Se algum dos progenitores coloca os pés em cima da mesa, a criança não vai entender porque ele não pode fazê-lo. É então quando a criança se rebelará, fará o mesmo que esse progenitor. A consequência será muito chateamento, discussões, birras e algumas frases feias.

Por exemplo, quando a criança recrimina seus pais “porque não posso pôr meus pés em cima da mesa se você está fazendo isso?”, algum dos progenitores dirá a famosa frase “porque eu te disse para não fazer e pronto”.
Você acredita de verdade que esse discurso vai funcionar? Uma frase tão ditatorial, tão injusta e tão incoerente, jamais terá os resultados que queremos.

Sem nos darmos conta, somos nós mesmos que causamos brigas em nossa casa, que poderiam ser evitadas sem nenhuma dúvida.

Descubra: Para educar bem as crianças, o melhor é fazê-las felizes

Porém, as responsabilidades e a quantidade de tarefas que temos na cabeça nos impedem de ser conscientes do quão simples as coisas podem ser.  De alguma forma, tem que surgir a raiva com o chefe ou a frustração com o parceiro. Quem é que paga tudo isso? O caçula da casa, que não tem culpa nenhuma.

A incoerência: uma bomba na adolescência
Menina sem exemplo de família
Se os pequenos já podem começar a se rebelar diante destas amostras de incoerência presentes no entorno familiar, tudo se complica na etapa da adolescência.  É aqui onde a paciência deve ser indispensável e onde os “porque eu estou dizendo” terão uma repercussão muito mais forte nos filhos.

Não podemos exigir aquilo que não fazemos. Dar o exemplo é a melhor maneira de educar, não mandando, ordenando, pedindo, reclamando e tudo isso porque somos pais. Os pais são pessoas, assim como os filhos. Claro que os pais têm autoridade, mas devem aprender a aplicá-la da maneira adequada.  Se dar o exemplo não é algo que se considera como prioridade, estaremos perdendo a autoridade que queremos reclamar à base de gritos, ameças e discussões que fazem com que a casa se torne um caos.

A adolescência requer uma estabilidade, grandes doses de amor e compreensão, e não gritos ou palavras absurdas.  Assim só estaremos fomentando o ódio, as emoções negativas e a falta total de respeito dos filhos para conosco.

Não nos coloquemos em seu mesmo nível
Menina que cresceu sem um exemplo

Quando um progenitor grita, se altera e começa a discutir com seu filho como se tivesse a mesma idade que ele, perde toda a sua autoridade.

Dar o exemplo não é se deixar levar por emoções que te incitam a fazer o mais fácil: levantar a voz, mandar e exigir, e dizer “porque sou seu pai e você tem que me obedecer”.  Colocar-se no mesmo nível que os filhos fará com que as situações piorem. Mas, claro, para evitar isto é preciso começar a dar exemplo.

Há muitas responsabilidades, problemas de dinheiro, preocupação pelo futuro dos filhos. Porém, nunca devemos deixar de lado algo muito importante: demonstrar o amor que sentimos por eles. Porque, às vezes, o dia a dia é uma coletânea de gritos e discussões que na realidade não têm sentido. Onde o amor fica, então? E a compreensão?

Exemplo de mãe e filha
Antes de ir, não perca: A chave para educar as crianças está na simplicidade. Se nos esforçarmos para ser melhores a cada dia e para aprender com os erros que podemos visualizar graças aos nossos próprios filhos, então estaremos indo por um bom caminho.  Trabalhar para ser a melhor versão de nós mesmos fará com que os menores sigam este ensinamento sem fazer esforço.


REFLEXÃO: A Lenda do Fio Vermelho


Os seres humanos buscam desde sempre uma explicação que dê sentido à sua existência e que justifique seu tempo aparentemente aleatório na Terra. Como resultado dessa busca, milhares de culturas durante os séculos e ao redor de todo o mundo encontraram ou construíram lendas milenares sobre o destino do homem e sua ligação com o universo, um sistema em permanente movimento e transformação.



A lenda do fio vermelho, uma história japonesa que explica de forma charmosa o motivo pelo qual tudo acontece e tem uma razão de ser e como todas as pessoas com as quais cruzamos chegam a nossas vidas por algum motivo.

Feche seus olhos e imagine o sangue que lhe dá vida e que corre por seu corpo. Agora pense nas milhares de veias e artérias que o conduzem para que chegue a cada canto de seu organismo. Bem, de todas as possíveis conexões em seu sistema circulatório existe uma direta entre o seu coração e o seu dedo mindinho. Graças à artéria cubital, esses dois pontos distantes de seu corpo se conectam. Isto quer dizer que seu pequeno dedo pode ser o melhor embaixador de seu coração e, por isso, em muitas culturas, para selar uma promessa, entrelaça-se a ponta do dedinho com a de outra pessoa.
Segundo a lenda do fio vermelho, o menor dedo de sua mão não é onde acaba essa vital conexão com seu coração. Do dedinho se desprende um invisível fio vermelho que leva o rastro de sua alma e lhe conecta de forma definitiva e profunda com os fios de outras pessoas,ou seja, com os seus corações.

Aqueles que estão atados por um fio vermelho estão atados pela força da mesma vida; estão destinados a se encontrar e a viver uma história de mútua aprendizagem e ajuda, sem importar o tempo, a distância ou as circunstâncias que os separem. Durante a vida, o fio pode se estender ou embaralhar, distanciando-nos momentaneamente dessa ou dessas pessoas, mas nunca pode se romper.
Nesta concepção da vida, o destino e as relações humanas nascem de uma concepção holística do mundo, onde nossa energia e força vital se ramificam além de nosso corpo e nos une ao universo e aos seres que estão nele. O fio vermelho é uma forma de compreender o ser humano como parte de um todo, de uma rede de vida que se nutre das relações, o dar e o receber, que faz sentido, quando compreendemos por que estamos na vida de alguém ou de que maneira podemos ajudá-lo em seu caminho.
Nosso fio marca nosso destino, é um itinerário traçado que nos aproxima de quem mais necessita e de quem mais necessitamos, ainda que na nossa visão não compreendamos o transcurso da existência terrena. Para os japoneses, é uma forma de pensar que nada é produto da sorte e que não somos tão poderosos quando acreditamos que decidimos sobre nossa vida.

Valeria então a pena perguntar: Com quem estou vinculado pelo fio vermelho? O que devo aprender com as pessoas que marcaram minha vida?